Make your own free website on Tripod.com

 

 

 

A PORTA ABERTA PARA A

 REALIDADE INTERIOR

 

 

 

 

 

 

 

Nas páginas seguintes você vai aprender passo a passo a conduzir sua própria análise dos sonhos. Neste momento, porém, é importante que você tenha contato com um primeiro exemplo do uso da técnica.

Um homem procurou o autor com a finalidade de "aprender tudo sobre os sonhos". Quando foi explicado que se ele quisesse conhecer os sonhos teria que vivenciá-los através da técnica da Alquimia Simbólica ele ficou frustrado. Seu desejo era receber algumas aulas e ler alguns livros. Queria que os outros lhe contassem como é o sonho, mas não queria ele mesmo experimentar. Alguns dias após a primeira entrevista ele tornou a ligar e relatou que havia mudado de idéia e resolvido vivenciar os sonhos. Um sonho que não conseguia esquecer e nem entender o fez mudar de idéia. Já havia consultado vários livros e não estava satisfeito. Ele estava muito angustiado, pois tinha a sensação de que "tinha de entendê-lo". No sonho havia uma criança deitada no colo de uma mulher. Esta mulher estava falando com a criança. O detalhe que mais o angustiava era que a criança estava com a cabeça escondida. Após a conversa inicial e o relato do sonho, foi pedido que ele relaxasse e enquanto ia fazendo um relaxamento foi explicado a técnica da Alquimia Simbólica. Quando ele estava bem relaxado e bem concentrado, o sujeito foi orientado a avisar sua mente sobre o que ele iria fazer e a começar a relembrar o sonho, as suas sensações e sentimentos. Aos poucos foi revivendo o clima do sonho e permitindo com que o inconsciente influenciasse o curso da imagem. Quando o inconsciente começou a agir sobre a imagem do sonho, a mulher tomou vida, adquiriu movimento, ganhou uma expressão bem séria. A criança também adquiriu uma expressão extremamente séria. A seriedade das duas deixou o paciente incomodado. Ele teve a percepção que estava fazendo algo errado e que elas estavam chateadas com ele. Ele se sentiu frágil, descreveu esta sensação como se na vida ele fosse como uma casca de ovo. Ele sentiu medo, muito medo. No início não sabia do que, mas depois sentiu muito medo de se sentir sozinho e não dar conta de fazer as coisas. O sentimento se transformou e ele se sentiu impotente e triste. A mulher falou: agora você está sentindo a tristeza que é sua vida. Ele respondeu que a vida dele era muito triste, que todos pensavam que ele era feliz e que seu orgulho não permitiria que ele deixasse que as outras pessoas soubessem que era infeliz. A mulher sentou e ficou olhando para ele com olhar de tristeza. Foi então que ele perguntou: o que você quer de mim? A mulher lhe contou que era sua alma e que toda noite ficava lhe transmitindo ensinamentos, mas como ele queria se esconder de todo mundo ele acabava se escondendo até dela. Ele chorou muito, disse que estava com vergonha, com vergonha da mulher. Disse que agora ele sabe que alguém testemunhava de sua infelicidade e ele não queria que ninguém soubesse. Ela apontou a criança e disse que aquela criança era sua felicidade e que ele a havia abandonado há muito tempo, tanto é que ela não cresceu. Seu choro se tornou muito mais forte e ele perguntou: "Deus, o que eu faço?" Ele ficou um tempo chorando e então falou que era melhor perder o orgulho do que perder a felicidade. E perguntou à mulher o que fazer. Ela explicou que ele queria escutar sua alma e era por isto que lia tantos livros, mas ele não queria deixar sua alma viver. Neste momento várias lembranças apareceram na sua mente, eram lembranças de situações onde ele se sentiu sozinho, mas desta vez ele sentiu que havia alguém com ele (sua alma). Era uma sensação quase indescritível: ele não se sentia mais sozinho. Ele se sentiu forte, se sentiu capaz de enfrentar os desafios da vida. A mulher sorriu e disse que ia voltar para sua casa. Ele se despediu da sua alma, avisou a mente que ia acabar com a visualização, agradeceu e retornou a consciência cotidiana. Durante a avaliação da visualização o sujeito relatou que teve um insight de que deveria valorizar suas experiências sutis para poder encontrar um novo caminho que o levasse à felicidade. Ele se sentia forte o bastante para buscar este novo caminho. Falou também que sentia uma vontade imensa de ser ele, de ser autêntico. A partir deste dia a vida deste indivíduo começou a mudar.

 

Acrescente este site aos seus favoritos

e nos encontre sempre que desejar.

 

Este exemplo mostra como o sonho fala de nós mesmos, da nossa REALIDADE INTERIOR. O sonho é a grande porta aberta que Deus nos deu para que pudéssemos ter acesso à nossa alma e ao nosso inconsciente. Porta que nós temos a obrigação de abrir, porque significa menos sofrimento. Você pode imaginar quanto tempo este sujeito perdeu, quanto sofrimento ele viveu, até que resolveu abrir a porta? Com certeza a vida da humanidade será muito melhor quando ela entender que técnicas que trabalham com o inconsciente devem fazer parte de sua rotina de vida. Aprender a escutar seu inconsciente e permitir que ele ilumine sua vida, este é um dos caminhos mais sábios para a auto-realização.

Ao aprender esta técnica você terá em suas mãos um recurso para utilizar no seu dia-a-dia, uma ferramenta para superar seus traumas, suas dificuldades, mas acima de tudo você terá uma porta aberta por onde poderá entrar à procura de orientação e ensinamentos que vão tornar sua vida muito mais suave.

Sempre que você sentir necessidade, a técnica da Alquimia Simbólica vai estar a sua disposição.

 

Guarde e Compartilhe |

 

 

 

 

 

Anterior

Home

Próxima

 

 

 

Conheça o autor

Cursos e Consultas

 

 

 

Terapia da Regressão

Hipnose

Terapia de Vidas Passadas

 

 

Coloque um Banner da Análise dos Sonhos no seu site

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Click para receber gratuitamente no seu email o Jornal Vida Natural

Visite a página do jornal

 

 

 

 

 

Todo o conteúdo escrito deste site está registrado no Escritórios de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional.

Proibida a reprodução total ou parcial sem a autorização escrita do autor.

 

 

Copyright © 1996 - 2012 by Regis Soffiatti Mesquita de Oliveira