Make your own free website on Tripod.com

 

Terapia da Regressão

 

Hipnose

 

O QUINTO E O SEXTO PASSO.

 

 

 

 

O Quinto Passo

Você deve se envolver com a história, portanto você deve participar. Este quinto passo é a hora de agir. Esta é a parte mais delicada do trabalho, pois é o momento onde você pode conseguir os conhecimentos que irão gerar sua melhora.

Depois que a imagem estabilizou ( ou seja, uma nova história começou ), procure descobrir sinais que indiquem como agir. No exemplo 2 ( quarto passo ), após perceber que estava em uma espécie de masmorra a pessoa sentiu uma necessidade de explorar o local. Ela sentiu que não podia ficar parada naquele lugar. Saiu, então, para explorar o local. ( A sensação foi dita em voz alta, a decisão tomada em voz alta, etc. ). A necessidade de explorar o local foi o sinal, sair para explorar foi a ação.

Exemplos de sinais:

-- Uma pessoa sonhou que estava viajando por uma montanha numa caravana. De repente aparece um tigre e todos fogem, menos o sonhador que fica paralisado. O tigre avança em sua direção, passa por dentro dele (como se fosse um fantasma) e vai embora. Quando reviveu o sonho a força energética do inconsciente modificou as imagens e o colocou sozinho frente a frente com um tigre. Ele voltou a ficar paralisado. Depois de algum tempo, ele percebe que ficava menos apavorado quando olhava diretamente nos olhos do tigre. Este foi um sinal que indicava uma forma de enfrentar a situação.

 

 

-- Outra pessoa sonhou que estava dentro de uma casa antiga. Quando reviveu o sonho a energia do inconsciente não modificou a imagem, mas atuou sobre sua mente despertando um enorme desejo de sair daquele lugar pois ele é alérgico e a casa tinha muito pó. Imediatamente o sonhador avaliou que era isto que sempre fazia na sua vida (abandonar os lugares) e que ele sempre se sentia derrotado nestas situações. Esta percepção e o desejo de sair foram os sinais que indicaram uma situação conflituosa em sua mente. Ele então decidiu que ficaria lá dentro e se propôs a tornar o local adequado para ele viver.

Qualquer coisa pode se tornar um sinal. No seu estágio de desenvolvimento na técnica estes sinais serão geralmente vontades, pensamentos e sensações. Você pode sentir vontade de beber água, estar com roupa diferente, ter a sensação que algo vai cair, pensar que outra pessoa está querendo seu mal, achar um lugar bonito e querer ir lá, etc. Os sinais podem ser dados através da imagem, como por exemplo: abrindo uma porta onde não havia uma, colocando um personagem na história para te ajudar... Os sinais também podem ser "criados" quando, durante a visualização, a pessoa se questiona sobre suas crenças e sentimentos, como por exemplo: uma pessoa está no meio de um campo e acredita que não tem para onde ir. Ela reflete e percebe que na realidade da visualização ela tem a opção de seguir para qualquer lado, só que não tem a segurança de onde vai chegar. Esta sensação de insegurança passa a ser um novo sinal. Com a prática você vai adquirindo uma grande habilidade em perceber e "criar" os sinais.

Obs: No dia-a-dia você come quando tem fome ou vontade de comer algo. A vontade de comer e a fome são sinais que te levam a ter a ação de se alimentar. Sinal é isto; algo que te estimula a ter uma ação.

No exemplo 2 ( do quarto passo ), a pessoa teria uma atitude errada se começasse a querer controlar a imagem. Se ficasse imaginando ou querendo impor uma solução para o problema. Por exemplo, imaginando, por conta própria, que atrás de uma parede existe uma porta de saída. Você pode até criar a porta, mas perde a energia arquetípica e a chance de evoluir. ( Existem modos de realizar este tipo de interferência, mas são necessárias condições precisas para se fazer, o que ainda não está no seu nível ).

Existe uma grande diferença, para o nosso trabalho, entre imaginar e fantasiar. Imaginar significa manipular a visualização, significa ação sobre as imagens. Fantasiar significa uma vontade ou percepção que nós temos mas que não está manipulando a visualização. Se eu tenho que atravessar um rio eu posso fantasiar que seria bom ter uma ponte ali no rio ( repare como a imagem ficou intacta ). Outra coisa, muito diferente, é eu imaginar uma ponte ali ( colocar uma ponte sobre o rio, interferindo na imagem ). Em outras palavras, nós temos que agir ( atravessar o rio à nado, sair andando até outro lugar, sentar e esperar, fazer qualquer coisa ), mas não podemos interferir nas condições que nossa mente nos impõem na visualização. Preste bem atenção: você tem que decidir por fazer algo, mas jamais deve querer mudar as condições que sua mente lhe apresenta no momento.

Nesta fase tem que haver um equilíbrio entre a ação e a permissão para que o inconsciente, através da energia arquetípica, tenha uma reação. Ou seja, sua ação vai gerar uma reação. No exemplo 2, depois que foi explorar o local a pessoa foi invadida por um sentimento de medo muito grande. Esta foi uma reação da energia arquetípica. Como consequência do surgimento deste medo ela teve vontade de voltar para cama e ficar lá, quietinha. Neste momento, esta pessoa teve um insight de como agia na sua vida cotidiana. Este insight ajudou-a a mudar sua forma de agir na visualização e na vida normal. Repare bem no que aconteceu: a pessoa agiu ( saiu para explorar o local ). A energia reagiu ( provocou o medo ) e criou uma nova situação ( onde ela pensa em voltar para cama e ficar quieta ). Aparece um novo sinal, sob a forma de insight ( ela percebe que o medo a faz desistir de lutar ). Baseado neste insight a pessoa voltou a agir.

O essencial para que a visualização não se torne mera divagação é a pessoa ter disposição para escutar e vivenciar o que o inconsciente mostra.

 

_________________________________________________________________________________________

Você já aprendeu que nós possuímos uma REALIDADE INTERIOR. Durante todo o processo da Alquimia Simbólica você terá um contato estreito com esta REALIDADE INTERIOR. Tudo que acontecer será realidade, portanto é necessário que você se envolva, que você participe da história que sua mente produzir. Esta história é verdadeira pois é fruto da sua realidade interior.

_________________________________________________________________________________________

 

O que você pode fazer:

1) Pedir coisas. Ex.: se você estiver se sentindo sozinho você pode pedir para a mente lhe dar uma pessoa para conversar. A mente vai lhe dar ou não, se ela quiser.

2) Escutar sua vontade interior e decidir entre duas opções. Ex.: você pode decidir que quer sair andando em uma direção, em vez de outra.

3) Pedir opiniões. Lembre-se que você está no reino do inconsciente onde um animal pode falar, uma cadeira andar, etc.

4) Você pode fazer tantas coisas quanto na vida cotidiana. Nós tendemos a repetir os mesmos erros e acertos da vida diária. Por isto nós devemos escutar o que o inconsciente tem para falar e ensinar.

5) Existem regras específicas que são explicitadas nos cursos práticos.

 

Acrescente este site aos seus favoritos

e nos encontre sempre que desejar.

 

O que não fazer:

1) Querer dominar o curso da visualização.

2) Tomar atitudes que signifiquem falta de ética e de amor para com você ou com outros. Ex: se sua mente lhe propuser andar em um barco e você achar que isto lhe será prejudicial, não vá.

 

Esquema do quinto passo:

(A energia do) inconsciente cria uma situação >>> há um sinal >>> você age >>> o inconsciente reage criando uma nova situação >>> há um novo sinal >>> você age >>> o inconsciente reage >>> etc.

 

 

O Sexto Passo

Finalizando a visualização. Você vai perceber que após algum tempo a visualização perde sua força, a história não evolui mais, a situação se esgota. Você percebe que a visualização chegou ao final. É hora de iniciar o retorno à consciência cotidiana.

Lembre-se: toda visualização tem a forma de uma história.

OBS.: praticamente todas as visualizações são passíveis de serem cortadas ao meio. O que não pode deixar de ser feito são as partes que são descritas abaixo.

1) Comunique ao seu inconsciente seu desejo de terminar a visualização. Ex.: "estou com desejo de terminar esta visualização..." ou "acredito que a visualização já se esgotou, por isto desejo encerrá-la por aqui." Observe como o seu inconsciente reage a esta solicitação. Se o processo da visualização realmente chegou a um final, o seu inconsciente vai reagir com indiferença. Ou seja, não vai reagir. Nesse caso passe para o agradecimento.

Caso o seu inconsciente reaja a este desejo haverá sinais indicando o fato. Neste caso ele estará se comportando como se ainda estivesse no quinto passo. Ou seja, você agiu e ele reagiu. Neste caso você deve continuar a visualização até o processo realmente se esgotar.

Os sinais indicam que existe muita energia ainda atuante. E, igual aos passos anteriores, eles vão aparecer de formas variadas; como sentimento, sensação, intuição, como um novo dado na visualização, etc.

Exemplo: um praticante desta técnica, que sempre manteve uma grande distância afetiva de sua mãe, fazia uma visualização na qual os dois estavam na sala de sua casa. A mãe conversava com ele. Ele se sentia mal na situação, pois desejava que sua mãe chegasse perto e lhe fizesse um carinho. Toda tentativa de aproximação física que ele fazia não era correspondida pela mãe. Ele se irritou com a situação e quis parar a visualização. Comunicou sua intenção de parar, mas o sentimento era muito forte e ele não conseguia se desvencilhar. Ao perceber a intensidade do sentimento ele viu que não deveria parar e que deveria buscar uma solução para este problema. Este sentimento foi o sinal de que ele ainda não devia parar.

Caso você queira cortar um processo de visualização no meio comunique ao seu inconsciente o que você vai fazer e o porque. Como sempre, você deve lidar com o inconsciente como se ele fosse uma outra pessoa que não sabe nada de você. Porém, é importante que você pare uma visualização no meio somente por motivos alheios à sua vontade. Ex: quando uma visualização demorar mais que o esperado e você tem que ir trabalhar. Ou, seu bebê está chorando e não existe mais ninguém para cuidar dele. Após a comunicação passe ao agradecimento.

2) Agradecimento. Deve-se agradecer a sua mente, a Deus, a Jesus, etc., pela chance de estar aprendendo algo e melhorando na vida. O agradecimento serve para ajudar a criar um vínculo positivo e despertar energias positivas neste momento em que você se prepara para retornar à sua consciência cotidiana. Desta forma atua como um grande facilitador deste processo. Pode-se agradecer assim: "eu agradeço pela oportunidade que estou tendo de transformar minha vida, agradeço a Deus por todas as bençãos que eu recebo, por toda a força que eu sinto junto a ti, agradeço poder estar realizando algo positivo para minha vida. Eu agradeço".

3) Anuncie o retorno à consciência cotidiana. Você pode dizer: "meu inconsciente, agora me despeço de você. A porta que eu abri para você entrar vai ser fechada. Peço que você leve contigo tudo que não possa ser útil para mim neste momento. Eu vou retornar à minha mente diária. A partir deste momento estou me sintonizando com a minha consciência cotidiana e desperta".

4) Após o retorno esperar um tempo para a readaptação, evitando tonturas, molezas, etc. O organismo necessita deste tempo para se readaptar à situação cotidiana. Este retorno deve ser lento e gradual. Mexa lentamente as mãos e os pés, mexa as outras partes do corpo, abra os olhos, espreguice, levante ou sente calmamente.

Este ritual é necessário porque sempre devemos demarcar em nossa mente, com muita clareza, o espaço da visualização e o espaço da vida cotidiana. Estes 4 passos de retorno são de extrema importância para que a transição da consciência que existe na visualização para a consciência normal e cotidiana se dê de forma tranqüila e harmônica. Portanto, você não deve desprezar nenhum deles.

 

 

 

FACEBOOK: http://www.facebook.com/mesquitaregis

 

 

 

Anterior

Home

Próximo

 

 

 

Conheça o autor

Cursos e Consultas

 

 

 

Terapia da Regressão

Hipnose

Terapia de Vidas Passadas

 

 

Coloque um Banner da Análise dos Sonhos no seu site

 

 

 

 

 

 

 

Todo o conteúdo escrito deste site está registrado no Escritórios de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional.

Proibida a reprodução total ou parcial sem a autorização escrita do autor.

 

 

Copyright © 1996 - 2012 by Regis Soffiatti Mesquita de Oliveira