Make your own free website on Tripod.com

 

 

 

O SONHO DO DRAGÃO

 

 

Guarde e Compartilhe |

 

 

 

Não deixe de ler a página explicativa dos exemplos.

 

 

Homem, 24 anos, no momento desta análise estava passando por uma fase de grandes mudanças em sua vida profissional. Estava se preparando para sair de um emprego e entrar em outro. Saía do primeiro emprego por acreditar que não teria um bom futuro ali. Neste segundo emprego colocava todas as suas esperanças de um futuro melhor e vitorioso. Seus planos não eram modestos, e o fato de ainda não haver conseguido atingir seus objetivos o deixava angustiado.

 

Sonho:

"Não lembro muito do sonho. Lembro de estar dentro de uma casa. Talvez seja uma loja. Estava nos fundos deste lugar. Na frente existia um salão que ao fundo terminava com uma parede que tinha uma passagem no centro. Nos fundos existiam dois outros cômodos, vazios e sem janela. Era noite, e na escuridão esperava estar protegido. Havia uma mulher comigo, me parece que era minha namorada. Sentia um pouco de medo, mas achava que poderia enganar o dragão e assim me livrar com o amanhecer. Assumia uma posição de líder e corajoso. A casa tinha um pé direito bem alto, aliás não era casa, era estabelecimento comercial, talvez um buffet. O dragão apareceu do lado de fora e descobriu a gente lá. Tenho a sensação que ele nos descobriu porque fizemos algo errado: ficamos a vista. O dragão ficou do lado de fora preparando alguma armadilha para conseguir nos pegar. De repente entra no local uma dragoa. Uma dragoa sem violência e até com uma aparência de inocência. Eu pulo em cima dela, pego ela pelo pescoço e ameaço matá-la quebrando-lhe o pescoço. Falo para ela que o dragão deve ter um ponto frágil e que se ela não me disser eu vou matá-la. Ela diz que o ponto frágil do dragão era que se eu injetasse álcool no dragão ele morreria. Ameacei de novo. Queria saber o que ela faria se eu a soltasse, se ela e seu filho não iriam crescer e depois iriam querer me pegar. Ela disse que não, e eu a soltei.

Me vi dentro de um carro. Eu dirigia e minha namorada ia ao lado. Passamos por uma praça onde existia uma bifurcação. Peguei o caminho que me indicaram. Achei que foi burrada: não devia ter escutado os outros, devia fazer do meu jeito. Enquanto me lamentava o dragão chegou perto e ia atacar. Falei para minha companheira preparar a seringa com álcool. Peguei a seringa e após ter subido na janela do carro espetei o pé do dragão. Ele imediatamente largou o carro e começou a se contorcer no chão. Olhei para a seringa, como havia injetado super pouco álcool achei que o dragão iria ficar bom logo. Queria ir até ele e injetar o resto do álcool. Queria destruí-lo, queria acabar com ele, sentia uma raiva brutal..... Acordei."

 

 

Visualização:

"Relaxei. Comecei a me sintonizar com o sonho e imaginei o local onde havia me escondido pois esta era uma imagem muito forte para mim. Eu sabia que o dragão estava lá de fora mas não o via. ( Senti que a imagem foi aos poucos ganhando autonomia até que a história começou a fluir. ) [ Este é o passo 04. ] De repente o lugar começou a ficar mais velho, de madeira caindo aos pedaços. Vi a perna do dragão pela janela. O lugar se transformou em um saloon do velho oeste. Tudo velho e caindo aos pedaços. Comecei a sentir muito medo. Estava sozinho. O dragão poderia destruir a casa na hora em que quisesse. Pensei em fugir, mas para onde? Minhas pernas ficaram moles e pesadas.

De repente o dragão foi embora. Apareceu na minha mente a idéia de como eu sempre espero o pior. Eu olhava dentro do saloon mas não conseguia saber se tinha gente ou não. Comecei a andar em direção à porta, mas a imagem do seu interior [ do saloon ] não ficava clara. Fiquei com medo de sair na rua pois temia que alguém pudesse atirar em mim. Sentia que atrairia alguém que encrencaria comigo. Estava sozinho. Desejei ter alguém para conversar e pedi isto à minha mente. Apareceu um velho, com ar de matuto e mascando mato, sentado em uma cadeira dentro do saloon. Fui me aproximando dele com uma cara de quem pergunta porque aquilo acontecia comigo. Ele respondeu: "isto acontece com você porque você se acha melhor do que os outros". Começou a rir e esqueceu de mim. Botou o pé numa outra cadeira e ficou ali tranqüilo. Ele fazia questão de me mostrar o quanto eu sou insignificante. Fiquei pensando nas minhas pernas pesadas e fiquei com vontade de dar uma porrada no velho. Sabia que o velho era eu mesmo, por isto me sentia no direito de usá-lo para colocar minha agressividade para fora. Sentia dois pólos dentro de mim: um onde eu era o pior e o outro onde era o melhor. Veio a idéia de que se eu usasse minha agressividade os dois pólos poderiam se tornar um só. Não consegui chutar o velho. Todo desengonçado joguei meu corpo sobre a mesa. A mesa virou no chão. O velho nem se preocupou comigo. Fiquei sem graça comigo por aquele ato trapalhão. Mas a verdade é que minha perna se soltou, ficou mais leve.

Lá fora estava sol. Saí na rua e vi as pessoas andando pela cidade. De repente o tempo começou a escurecer e todo mundo se refugiou nas casas. Foi só então que eu entendi que era o dragão que estava voltando. Ele estava muito maior, talvez fosse da altura de um prédio de 15 andares. Eu sabia que não podia enfrentá-lo. Veio a idéia e desejo [ a fantasia ] de que eu poderia crescer e ficar do tamanho dele. Doce ilusão.... Vi que poderia voltar para dentro do saloon, mas ali eu seria pisado por ele. Corri para uma outra casa. As pessoas que estavam ali não queriam que eu entrasse. Me olhavam com raiva e desprezo. Quis ir embora. Nesta hora descobri que onde eu fosse o dragão ia pisar em cima. Resolvi ficar ali. Não queria voltar para o saloon e ser pisado sozinho. O dragão veio e pisou na casa onde estava. Esmagou tudo. Me vi preso debaixo do pé do dragão. Uma sensação horrível de impotência. Então eu vi uma grande lasca de madeira. Cravei [ a lasca ] no pé do dragão que sentiu dor e foi embora mancando. Saí de debaixo dos escombros da casa e fui para o saloon encontrar o velho. Lá ele disse: "tá vendo? Você fica procurando soluções fantasiosas, sendo que a solução dos seus problemas está naquilo que você tem ao alcance de suas mãos." Ele olhou para mim, sorriu e falou de novo: "vai lá ver as pessoas da casa". Vá ver como elas te tratam, acho que ele queria dizer.

Fui até a casa. Tinha um monte de pessoas olhando. As pessoas combinavam a reconstrução. Um homem me falou: "já que você foi o culpado da destruição bem que você poderia dar uma mão na reconstrução". Ele não falou me acusando, ele falou com compreensão. Eu queria terminar a visualização mas não poderia recusar o convite do homem. Me imaginei construindo rapidamente a casa. O homem disse: "você está com pressa, não é? Assim você fica sozinho e quer bancar o herói. Você podia ser mais um e estar com os outros". Eu então me vi carregando uma tábua para entregar à pessoa que ia pregá-la na parede. Ajudei a construir um pouco da casa e senti que eu já poderia parar a visualização.

Pedi para voltar, agradeci e retornei."

 

Avaliação:

"Acho que fantasio muito. Isto tem me atrapalhado. Veja só, quando vi o dragão fiquei fantasiando ser do tamanho dele. Sou orgulhoso e quero ser melhor que os outros, quero estar sempre por cima. Começar por cima. Por isto eu sempre quebro a cara. Agora que estou recomeçando minha vida não vou fantasiar, vou utilizar os recursos que tenho à minha mão. Vou começar de baixo para poder crescer."

 

Comentários:

Este é um sonho de uma pessoa que já desenvolveu habilidade com a técnica. Você reparou como ele se sente sozinho e pede para a mente lhe dar alguém com quem falar. Este sentimento foi um sinal para sua ação na visualização.

Toda visualização está relacionada com o momento de vida da pessoa ( lembre-se dos ramos da árvore no capítulo A Imagem da Árvore ). Neste caso, esta pessoa estava reorganizando sua vida, praticamente recomeçando de novo, e estava cheia de planos. A visualização foi clara ao lhe mostrar facetas que dificultavam o seu sucesso na vida profissional. Enquanto ele ficasse fantasiando e não enfrentasse a realidade iria sempre quebrar a cara. O orgulho não o permitia dar os primeiros e humildes passos necessários para chegar ao sucesso. Percebendo o modo como agia o sonhador pode se transformar.

Ele quis agredir o velho com a justificativa de que era ele mesmo. Como é alguém experiente na técnica da Alquimia Simbólica ele possui esta facilidade em saber se alguém é ele ou não. É comum nos sonhos a pessoa aparecer de várias formas. Este é um recurso que a mente possui para mostrar as várias facetas da pessoa. Ou seja, durante a visualização poderão aparecer personagens que representam os complexos ( partes ) que trazemos em nosso interior. Recomendo que, enquanto não dominar bem a técnica você não deve se utilizar de comportamentos extremos com outras pessoas ( principalmente se estas pessoas tiverem um equivalente em "carne e osso" ).

No final ele está com pressa de terminar a visualização e começa a querer dominar a situação. Sua mente logo lhe explica o que acontece com ele quando faz isto. No meu julgamento esta é a grande mensagem da visualização, mas como pudemos ler em sua avaliação ele ainda não está pronto para crescer neste ponto. Foi com outra mensagem que ele teve condições de transformar sua vida.

Quando você estiver fazendo sua visualização tome cuidado para não imaginar as coisas. Você pode fantasiar, imaginar não. Nesta visualização, o sonhador teve a vontade de ficar do tamanho do dragão, mas ele não imaginou este fato. Só fantasiou.

Repare bem como o sonhador presta muita atenção nos seus sentimentos e nas suas vontades. Ele decide suas atitudes de acordo com o que percebe em si. Ex.: ele percebe que onde ele fosse seria pisado pelo dragão. Foi uma percepção sua, não havia nada na visualização em si que indicasse esta conclusão. Ele agiu correto quando aceitou o fluxo da visualização e não utilizou nenhum subterfúgio para atrapalhar este fluxo. Também agiu correto quando percebeu que não queria ser pisado sozinho e ficou onde estava. Este ato demonstra um traço da personalidade do sonhador ( outros teriam tomado outras atitudes ). O importante é que ele agiu de modo verdadeiro e o inconsciente reagiu de modo forte, proporcionando grandes ensinamentos. Quanto mais honesto consigo e verdadeiro você for, mais profunda e transformadora será a visualização. Ou seja, a visualização é o lugar para você viver suas qualidades e defeitos sem subterfúgios.

 

 

 

 

 

 

Anterior

Home

Próximo

 

 

 

Conheça o autor

Cursos e Consultas

 

 

Terapia da Regressão

Hipnose

Terapia de Vidas Passadas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Click para receber gratuitamente no seu email o Jornal Vida Natural

Visite a página do jornal

 

 

 

Todo o conteúdo escrito deste site está registrado no Escritórios de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional.

Proibida a reprodução de qualquer parte sem a autorização escrita do autor.

 

Copyright © 1996 - 2012 by Regis Soffiatti Mesquita de Oliveira